A cultura do “E”:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram
Share on whatsapp

quando todas as alternativas estão corretas

Sim! Podemos ter diversas profissões ao mesmo tempo!

Cultura do E: quando todas as alternativas estão corretas
People photo created by freepik – www.freepik.com

Desde criança somos condicionados a fazer escolhas e aprendemos que quando as fazemos, é preciso abrir mão de outras coisas.

A base da nossa educação ainda é assim: em casa e na escola.

E essa dicotomia foi imortalizada por Cecília Meireles no poema Ou isto ou aquilo.

Paradoxo comportamental

Paradoxalmente, as empresas, hoje, têm procurado profissionais que consigam lidar com os dois ( ou três, quatro, cinco, etc…) lados da realidade.

Para os millennials, na prática, isso já tem sido experienciado, conforme já abordamos no texto: Millennials: como se divertir e trabalhar com a gente.

Porém, é possível que até mesmo essa geração ainda esteja acorrentada -inconscientemente – à velha e ultrapassada retórica: escolha o seu lado.

E, em razão disso, você pode estar perdendo grandes oportunidades de se divertir realmente com o seu trabalho.

Caixa organizadora

Quem nunca ouviu alguém dizer:  – Abra a caixinha da imaginação. Feche a caixinha da brincadeira, etc.

Ainda organizamos a vida separando o ser humano da natureza, lazer de trabalho, estudo de entretenimento, prazer da obrigação, etc.

Por isso, convidamos você a fazer muito mais que pensar fora da caixa: abra todas elas e deixe que as coisas se encontrem livremente e se combinem.

Quem sabe você não irá se surpreender?


Cultura do E: por que você tem que escolher?
Business vector created by freepik – www.freepik.com

Por que você tem que escolher?

Vivemos um momento em que muitas profissões simplesmente estão desaparecendo embaixo do nosso nariz.

Primeiro, foram os trabalhadores braçais que perderam seu sustento para máquinas e tratores.

Depois, foram os técnicos, como os contadores, desenhistas e projetistas e outros que faziam parte de grandes equipes. E , aqueles que conseguiram se adaptar, trabalham isolados com um computador que faz o serviço de mais de cinquenta pessoas.

Agora, advogados estão em pânico por causa da Watson da IBM e nem os juízes escapam da comparação com esse software que tem uma assertividade muito acima do gênio humano mais inatingível. 

Se essas pessoas tivessem entendido aquele antigo ditado que diz que não devemos colocar todos os ovos na mesma cesta, provavelmente teriam olhado para outras aptidões que foram sufocadas, não abrindo mão de exercitá-las.

Abrace todas as possibilidades

Não sabemos quem será o próximo a perder o seu posto para alguém sem coração.

E a ideia não é criar pânico, mas convidá-lo a perceber que um hobbie pode ser também uma forma de complementar sua renda.

Ou sua aptidão para cálculos não precisa ser assassinada porque você decidiu trabalhar na área do turismo, por exemplo.

Pessoas que estão conseguindo romper a barreira da dicotomia estão surpreendendo o mundo, como é o caso do Dr. Abraham Verghese.

Cutting For Stone By Abraham Verghese
Cultura do E faz bem à saúde e ao bolso: 11º Mandamento (em Português)
Imagem: https://www.worldofbooks.com/en-gb/books/abraham-verghese/cutting-for-stone

Nascido na Etiópia, é professor da cadeira de medicina na Universidade de Stanford – Califórnia e autor do livro Cutting for Stone (11º Mandamento – em português), um romance que já vendeu mais de 1 milhão de exemplares, em todo o mundo.

Bastava ao Professor Doutor Abraham escrever algum livro sobre sua especialidade médica para se manter fora da cultura do E e ser mais brilhante que a maioria dos seus colegas de profissão. Porém, ele resolveu abrir a gaveta da sua formação acadêmica, experiência de vida e sua criatividade – todas juntas – para nos brindar com um dos 100 livros para ler na vida, segundo a Amazon.

O romance conta a história de 2 irmãos siameses que perdem a mãe – uma freira – no parto e são abandonados pelo pai, um médico.

Evidentemente, a fuga paterna se dá em razão de que os rebentos são fruto de uma relação proibida e imoral na preconceituosa cidade Addis Ababa (capital da Etiópia) na década de 1950.

O livro conta a saga desses dois irmãos, Shiva e Marion, que foram adotados por médicos e abraçaram essa profissão também.

A sensibilidade e a disposição de Abraham desafiar-se em segmentos de atuação tão distintos nos sugere que é possível viver com alta performance focando na nossa própria diversidade de pensamento, em um mundo de tantos desafios.

Ter a capacidade de se abrir e reconhecer nossas aptidões que estão escondidas e combiná-las com infinitas possibilidades é um trunfo da cultura do E.

Cultura do E: seja tudo o que quiser ao mesmo tempo

Com o tempo, algumas paixões e interesses deixam de fazer sentido em nossa vida.

Por outro lado, desejos latentes podem se tornar grandes oportunidades de realização.

E ainda há a possibilidade de se desfrutar de todas as paixões ao mesmo tempo.

Talvez não exista nenhuma opção incorreta!

E o Dr. Abraham tem demonstrado que isso pode fazer bem à saúde e ao bolso!

Gostou do tema? Conte-nos se você está vivendo todas as suas paixões plenamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *