A Divina Cadência dos profissionais de vendas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram
Share on whatsapp

Otto voltava de um retiro para recarregar as baterias, quando ligou seu celular, depois de um recesso de uma semana, ao melhor estilo Think Weeks.

Mal o telefone acendeu a tela, já tocou.

Era Lili, a gerente comercial de uma pequena confecção feminina do interior de São Paulo, Divina Cadência.

Ela precisava montar uma equipe de vendas na capital e queria propor um contrato de trabalho por projeto ao precoce Supertemp Otto.

Após um contato breve, marcaram um almoço na semana seguinte.

Encontrariam-se no Santa Cecília Pão & Cia.

Lili estava angustiada, pois havia caprichado muito na coleção, investido em novos fornecedores, melhores moldes e profissionais de produção e aberto alguns clientes na capital.

Mas, não conseguia dar uma assistência a estes, nem aumentar a carteira de clientes que tanto precisava, para justificar novos investimentos.

Otto chegou uma hora mais cedo e pediu uma mesa para dois. Conectou seu dispositivo no wi-fi do local e acessou o site da Divina Cadência.

Mapeou o negócio, analisou o catálogo virtual, fez uma pesquisa sobre preços do mercado e fez alguns contatos com pessoas que ele conhecia do segmento.

Quando Lili chegou, conversaram sobre alguns assuntos para quebrar o gelo e logo Lili disparou:

Otto, preciso de uma consultoria sua para montar um escritório aqui e contratar vendedores. Disse ela apreensiva.

Otto sorriu e lhe fez algumas perguntas sobre o faturamento da empresa e a carteira de clientes atuais, as metas e a saúde financeira, capacidade de produção efetiva e ociosa.

Questionou alguns pontos, analisou o site da empresa de Lili e de seus concorrentes mais próximos.

Ela desejava fazer várias contratações, alugar um imóvel e criar uma estrutura rígida de trabalho. E que o/as profissionais fossem todos dias até o escritório prestar contas do seu dia.

Ele ouviu atentamente tudo o que ela dizia e anotava pontos principais.

Quando ela terminou, ele pegou uma folha de sulfite de sua pasta e começou a explanar o que ele havia entendido de tudo o que ela disse.

Pontuou item por item, e ela concordava. Para cada item ele estimava um valor de investimento:

Santa Cecília Pão & Cia
Foto: https://app.outoo.com.br/pt/Local/391/Santa-Efigenia-5d2a1929b85d4
  • aluguel de imóvel e IPTU,
  • licenças e contador,
  • seguros e mobília,
  • custos trabalhistas, despesas com locomoção (aumentadas pelas visitas diárias ao ponto comercial)
  • riscos e perdas, depreciações, etc.
  • garantia ZERO de sucesso

Modelo de operação obsoleta

Quando ele somou tudo, ela estava com um semblante desanimado. 

Ao final, ele disse:

Lili, você está desenhando um modelo de operação que não se usa mais. Está ultrapassado!

Ela arregalou os olhos. Como faria então?

Otto virou a folha e começou a explicar as dificuldades do trabalho de um vendedor PAP (porta a porta) em São Paulo.

Lili, São Paulo é uma cidade do tamanho de um país Europeu médio. São mais de 12 milhões de pessoas e quase temos um carro para cada cidadão – a média é de 7,4 veículos para cada 10 habitantes. O trânsito é caótico. As linhas de trem, metrô, VLT e ônibus são subdimensionadas. E as pessoas ficam muito tempo esperando por eles ou viajando em pé e aglomerados…

Lili engoliu seco. Otto continuou.

De cada cinco dias de trabalho, o vendedor ou terá de usar o transporte público ou sairá mais tarde, pois em um ele terá o rodízio e sua placa. Conheço casos de profissionais que percorrem cerca de 200km sem sair do perímetro urbano. Essa cidade é gigante! E tem mais: se cair uma gota de água, ninguém mais anda…

Ela parecia desmoronar. Como era difícil empreender nessa cidade….(pensava ela).

Então, não tem jeito? Vou ter que desistir?

Sim! Respondeu ele.

Lili parecia não acreditar no que ouviu de um profissional tão arrojado.

Otto! São Paulo corresponde a mais de 40% do mercado de qualquer coisa, no Brasil! O quê você está me dizendo? Quer que eu dê as costas para todo esse mar de consumidores?

É óbvio que não! Definitivamente, pelo que você me disse, seu negócio está pronto para se estabelecer na mais importante Capital de negócios da América Latina. Mas, para isso, você tem que mudar paradigmas.

Divina Cadência chegando em São Paulo
Photo by Alexander Mils on Unsplash

Ah, bom! Agora estou começando a gostar dessa conversa. Lily sorriu aliviada. Esse era o Otto que ela conhecia!

Vamos dividir a cidade em 5 regiões: Norte e Nordeste, Sul e Sudeste, Centro, Leste e Oeste. Ok? Já falei com uns contatos desse segmento e eles me indicarão representantes autônomos. Entrevistarei e treinarei essa pequena equipe para você. Propôs ele.

Mas eles precisarão de um escritório, não é mesmo? Ela quis saber.

Escritório é o que não falta nessa cidade! Basta baixar o aplicativo do www.outoo.com.br e escolher em qual bairro eles preferem trabalhar. O regime de coworking e outoffice já é uma realidade tida e conhecida pelos paulistanos. E muitos trabalham, inclusive, dentro do próprio carro, em estacionamentos de supermercados e shoppings. Basta um bom plano de telefonia ou um café com wifi, que pode ser localizado pelo Outoo.

Nossa, Otto! Como você é prático! Riu Lili aliviada.

Bom, acho que já podemos pedir o que vamos comer e aproveitarmos para visitar algumas lojas, ok? Otto estava empolgado.

Oh! Isso seria excelente! Lili mal conseguia esperar para conhecer um pouco mais sobre a cidade.

No caminho falaremos sobre um sistema de cadastro de pedidos, controles de vendas e incentivos aos seus futuros colaboradores, pode ser? Perguntou ele.

Certamente! Disse Lili acenando para o garçom. O que temos hoje no cardápio, senhor? São Paulo me dá fome! 

Eles riram. Lili respirou fundo. Uma cidade tão grande e cheia de oportunidades que podem ser perdidas se os profissionais não forem bem selecionados, treinados e não tiverem as ferramentas corretas, que proporcionam a infraestrutura no tamanho da necessidade de cada um. 

Em breve as mulheres de São Paulo estariam caminhando e desfilando com Divina Cadência!

Gostou do story? Conhece alguém como Otto ou Lili? Ou você sofre as agruras do trabalho de campo nessa cidade? Comenta, curta e compartilha! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *