Biofilia e Neuroarquitetura: a influência do espaço no trabalho

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on tumblr
Share on reddit
Share on telegram
Share on whatsapp
Biofilia e Neuroarquitetura: a influência do espaço no trabalho
Photo by Sua Truong on Unsplash

Quanto mais nos preocupamos com a qualidade de vida e as empresas se direcionam para atrair e manter os melhores talentos, mais se discutirá sobre a importância da criação do ambiente ideal para cada colaborador.

Nessa esteira de pesquisas e inovações estamos sendo surpreendidos com termos e conceitos pouco conhecidos.

Trazemos agora dois termos que foram objeto de estudo no Relatório Human Space – Biophilic Global Impact: biofilia e neuroarquitetura.

Antes de procurar em algum dicionário de palavrões ou anomalias, leia esse post e fique por dentro das novas tendências que vão mudar seu jeito de trabalhar.

Biofilia

É a tendência de se valorizar e buscar agregar na própria vida coisas vivas e que nos remetem à natureza.

É um conceito popularizado por Edward O. Wilson em 1984, quando ele descreve a relação do ser humano com a natureza e a necessidade de haver uma continuidade na ligação entre ambos, para a preservação do equilíbrio humano.

Neuroarquitetura

É quando a neurociência se junta à arquitetura para estudar de que forma nosso comportamento é afetado pelos locais que frequentamos. A interação com os ambientes em que vivemos impactam nosso cérebro. E isso tem consequências. 

Associação de forças

Biofilia e Neuroarquitetura: associação de forças
Foto: Freepik

Quando a Biofilia encontra a Neuroarquitetura temos uma associação de forças do bem para que possamos manifestar nossa melhor versão de nós mesmos e tenhamos satisfação com a experiência de estar em um ambiente de trabalho.

E ambas refletem-se no resultado operacional e financeiro da empresa.

Por isso, aquilo que todo mundo intuía, a ciência reconheceu e validou: o stress e da ansiedade estão inversamente relacionados com a produtividade, criatividade e motivação.

E se você busca estar em contato com a natureza ou necessita fazer pequenos retiros como o modelo de Think Weeks, de Bil Gates, saiba que você apenas está seguindo a sua própria natureza.

Saída estratégica para o outoffice

Seu ambiente de trabalho ainda não está em sintonia com esses conceitos como deveria? Tudo ao seu redor é muito cinza? A saída pode ser o outoffice.

Em nosso texto sobre Outdoor Coworking explanamos sobre a necessidade que temos de estar fora de ambientes que nos oprimem.

Apresentamos essa tendência de se trabalhar fora da empresa na primavera e no verão.

Não há coincidência nisso. Nessas épocas, a vegetação está mais pujante, é tempo de flores e a temperatura está mais agradável (com exceção do alto verão no Brasil).

Realmente parece que sentimos um “chamado” biológico para que voltemos aos braços da mãe natureza.

Por essa razão, o outoffice é uma boa saída para manter-se equilibrado e em alta performance produtiva.

A influência do espaço no clima do trabalho

Biofilia e Neuroarquitetura: quando o ambiente fala por você
Foto: Freepik

Se ainda não é possível sua empresa adotar regimes laborais mais flexíveis como home office e coworking, aguarde nosso próximo post sobre 7 coisas que mudarão sua vida no trabalho.

Deixe nos comentários o que o seu ambiente profissional está falando por você!

Gostou? Compartilha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *